SPFW nº41 – dia 01

Chegamos na semana mais aguardada do ano rs Sim, hoje começa, oficialmente, o SPFW. Esse evento maravilhoso da moda brasileira que vai ditar o que vamos ou não usar no próximo verão.

Apesar da mudança de nomenclatura essa temporada ainda será de estação específica. Vamos ver o que aconteceu no primeiro dia e o que iremos usar no próximo verão (verão só de calendário, porque na real ainda nem saímos dele rs).

Lily Sarti: o tema era “Sertão Líquido” e sabe-se lá o que Lilly quis dizer com isso rs Na coleção pudemos ver poucas cores, mas uma variação grande de tons dentro destas. A cor principal foi o marrom e as variações terrosas indo do nude, passando pelo pêssego, laranja e chegando finalmente no marrom fechado. Apesar de se tratar de uma coleção de verão, os tons não ficaram pesados justamente pela fluidez das modelagens. Peças assimétricas e com recortes em lugares estratégicas deram a leveza necessária para a coleção. Eu disse na edição passada como é bom ver uma grife crescer e com a Lily pudemos perceber isso. Ela que chegou como sendo uma grife de moças ricas (sim, bem carregada de preconceito mesmo) esta se tornando uma grife de corte preciso para mulheres de bom gosto (e isso nada tem a ver com $$). Está bem bonito de se ver!!!!

SPFW n41 Lily Sarti

Uma Raquel Davidowicz: eu já falei que adoro as coleções da Uma? Pois bem, pra quem é novo por aqui, eu adoro as coleções da Uma rs Acho tão precisas, tão simples e tão bem executadas e bate um orgulho de ser uma grife brasileira. Pensando nessa minha nova fase, tenho gostado mais ainda das roupas dela, principalmente por causa da cartela de cores enxuta: azul, preto, nude e amarelo. Essa coleção prova que não é preciso ter um milhão de cores em cada peça pra ficar bonito. Ou estampas gigantes. O que eu mais gosto é da certeza de que qualquer peça da grife você pode usar com qualquer outra peça de qualquer outra grife, porque aqui temos o básico. Mas é um básico sofisticado, bem executado e não bobo e sem graça com cara de roupa de dormir rs. É um básico que nessa coleção se reinventou, exatamente como o momento que estamos vivendo. Haja visto as peças em amarelo que estão especialmente bonitas, bem cortadas e chamativas (e isso nada tem a ver com o tom delas, pois tenho certeza que serão tão lindas se fossem em preto ou branco). As peças em “jeans” me surpreenderam. De longe parecem ser do material, mas quando damos um zoom percebemos que é… algodão. Sim. Algodão. O quão fascinante a moda é quando nos prega essas pegadinhas?

Uma Raquel Davidowicz

Amabilis: estreando no evento, essa grife feio de Vitória, no ES e traz o fundo do mar como inspiração. Algumas peças se perdem na inspiração, como é o caso dos metalizados no início (ou é isso ou estou muito ruim de interpretação). As peças que vem logo em seguida, em tom de verde água, estão muito bem feitas. Mas o creme de la creme da coleção é a parte final, mais precisamente os 9 últimos looks. Além do acerto na cartela de cores, remete algo a praia, com a mistura de branco com nude/bege. As peças são sofisticadas e os bordados delicados. Os crochês (ou tricôs, nunca sei a diferença, sorry) são maravilhosos e aquele casaco da imagem me causou desejo real, assim como o da imagem que formou uma composição linda com o maiô branco. Um pouco de excesso nos complementos (mil pulseiras, segunda pele, sobreposição, saltão), mas é totalmente perdoado para primeira coleção desse tamanho. E pela beleza de alguns looks, o acerto nas próximas coleções será certeiro. Para ficar de olho aberto com essa grife.

Amabilis

Apartamento 03: a inspiração veio do ilusionista Harry Houdini e eu me arrependi de não ter assistido a série em 4 (ou 5) capítulos que a Globo exibiu faz pouco tempo rs Tive que pedir ajuda do tio Google para entender melhor o desfile (e confesso que não foi de muita ajuda não). O desfile tinha peças excelentes. Com o corte perfeito, uma das suas marcas, a grife trouxe peças que pareciam um pijama sofisticado e que apareceram em todas as fases da coleção.  Vestidos muito bem feitos que lembram longas camisolas do fim do século XIX. Gostei das cores escolhidas para a coleção: preto, branco, rosa e azul, mas achei desnecessário os tons metálicos. Primeiro porque na época esse tom não era tão comum e segundo porque quebrou a delicadeza das peças. No contexto geral, a coleção é muito boa.

Apartamento 03

Ronaldo Fraga: Ronaldo juntou África com a situação dos refugiados, principalmente sírios, para criar essa nova coleção. Algumas peças são super características e nem seria necessário a explicação, mas a grande maioria é apenas delicada, singela. Aliás, Ronaldo é mestre em fazer coleções de temas complexos de forma leve, delicada e linda. A coleção brinca com cores, estampas e modelagens. Algumas peças podem ser usadas por meninas e meninos, elemento que ele vem usando nas últimas duas coleções, o que é ótimo, visto essa nova fase em que a moda se encontra e a preocupação que as marcas devem ter com esse público que esta se mostrando. Outro ponto a ser destacado são as modelagens. Existe peças para todos os gostos, de todos os cortes e modelagens e atende uma gama maior de clientes. Também achei a coleção mais refinada, com peças mais elegantes! Coleção hiper delicada, excelente em todos os pontos consideráveis como cor, modelagem e apresentação do tema.

Ronaldo Fraga

Esse foi o primeiro dia de SPFW nessa nova fase. Até o momento, achei os desfiles bem bons e já pensando no que pode vir nas próximas edições, achei que não existiu uma diferença muito grande de peças especificamente de verão. O que é ótimo.

Para ver todas as imagens e informações sobre os desfiles, acesse o FFW.

Bjks e até amanhã

Imagens: reprodução Zé Takahashi para Agência Fotosite

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *